Sling para Bebês

Novo
R$129,00

Em 3x de R$43,00 Sem Juros

+ de 62 mil mamães e papais nas redes sociais

Coronavírus: tudo o que gestantes e mães de crianças pequenas precisam saber

A Organização Mundial da Saúde e o Ministério da Saúde no Brasil não incluíram grávidas e crianças pequenas no grupo de risco para a infecção pelo novo coronavírus (COVID-19). Um alívio em muitas mamães e papais. Mas, há quem continue preocupado, então decidimos reunir informações sobre o novo coronavírus para ajudá-los a passar por esse momento de forma mais tranquila. Confira!

Por que crianças e gestantes não são grupo de risco?
Ainda não se sabe ao certo o motivo, mas até agora a maioria das mulheres grávidas e crianças infectadas reagiram bem e se recuperaram da doença, muitas nem mesmo precisam de remédios antivirais. Aparentemente, esses dois grupos têm sistemas imunológicos mais eficazes no combate contra este vírus.

O vírus pode ser transmitido na amamentação?
O vírus não é transmitido através do leite materno. Essa é a constatação do estudo publicado pela revista científica britânica The Lancet. No caso de uma mamãe diagnostica com o coronavírus que queira manter o aleitamento materno, é necessário alguns cuidados: higienizar muito bem as mãos, usar máscara enquanto estiver em contato com o bebê e logo que finalizar a mamada, deixar demais cuidados (arroto, troca de fralda, etc) com um adulto que não esteja infectado.

Quais os sintomas de coronavírus em gestantes e crianças?
Febre, tosse, coriza, mal-estar e dificuldade de respirar. Segundo o Ministério da Saúde, 94% das crianças diagnosticadas com infecção por coronavírus têm sintomas leves e 25% não apresentam sintoma nenhum.

As recomendações para gestantes e crianças são as mesmas para as pessoas que não fazem parte dos grupos de risco: lavar as mãos frequentemente, manter-se em isolamento, utilizar álcool em gel 70° e cobrir a boca ao tossir e espirrar.

Mantenha as boas práticas recomendadas pelos órgãos de saúde, proteja as pessoas à sua volta e tranquilize-se. Se você tiver sugestões para ajudar a enfrentar este momento, compartilhe com a gente! E vamos manter a nossa rede de informações positivas para que todos possam se cuidar nesse momento crucial! ❤ 
#pannosling #colo #amor #gestante #maternidade #coronavirus
Coronavírus: tudo o que gestantes e mães de crianças pequenas precisam saber A Organização Mundial da Saúde e o Ministério da Saúde no Brasil não incluíram grávidas e crianças pequenas no grupo de risco para a infecção pelo novo coronavírus (COVID-19). Um alívio em muitas mamães e papais. Mas, há quem continue preocupado, então decidimos reunir informações sobre o novo coronavírus para ajudá-los a passar por esse momento de forma mais tranquila. Confira! Por que crianças e gestantes não são grupo de risco? Ainda não se sabe ao certo o motivo, mas até agora a maioria das mulheres grávidas e crianças infectadas reagiram bem e se recuperaram da doença, muitas nem mesmo precisam de remédios antivirais. Aparentemente, esses dois grupos têm sistemas imunológicos mais eficazes no combate contra este vírus. O vírus pode ser transmitido na amamentação? O vírus não é transmitido através do leite materno. Essa é a constatação do estudo publicado pela revista científica britânica The Lancet. No caso de uma mamãe diagnostica com o coronavírus que queira manter o aleitamento materno, é necessário alguns cuidados: higienizar muito bem as mãos, usar máscara enquanto estiver em contato com o bebê e logo que finalizar a mamada, deixar demais cuidados (arroto, troca de fralda, etc) com um adulto que não esteja infectado. Quais os sintomas de coronavírus em gestantes e crianças? Febre, tosse, coriza, mal-estar e dificuldade de respirar. Segundo o Ministério da Saúde, 94% das crianças diagnosticadas com infecção por coronavírus têm sintomas leves e 25% não apresentam sintoma nenhum. As recomendações para gestantes e crianças são as mesmas para as pessoas que não fazem parte dos grupos de risco: lavar as mãos frequentemente, manter-se em isolamento, utilizar álcool em gel 70° e cobrir a boca ao tossir e espirrar. Mantenha as boas práticas recomendadas pelos órgãos de saúde, proteja as pessoas à sua volta e tranquilize-se. Se você tiver sugestões para ajudar a enfrentar este momento, compartilhe com a gente! E vamos manter a nossa rede de informações positivas para que todos possam se cuidar nesse momento crucial! ❤ #pannosling #colo #amor #gestante #maternidade #coronavirus
Bebê babando muito é normal? O que fazer?

Muitos pais de primeira viagem acabam se assustando quando seus bebês produzem saliva excessivamente e isso se torna uma preocupação. Por isso, viemos tranquilizar vocês e explicar porque é normal o bebê babando muito e quais cuidados vocês devem ter.

Por que os bebês babam?
O excesso de saliva é normal em qualquer bebê, os recém-nascidos ainda não possuem total controle da boca e ainda não aprenderam a engolir todo o volume de saliva que produzem. Os bebês costumam produzir mais saliva após os 2 meses, motivado pela fase onde eles começam a chupar e morder tudo, fazendo com que eles babem ainda mais e também por volta dos 6 meses que é a fase em que os dentes começam a nascer, chamada de fase da dentição.

Babar muito é normal?
Para entender se está tudo dentro do normal ou há algo fora do comum, você deverá observar se a baba do bebê é relacionada a fase de aprendizado alimentar. A fase em que os dentes estão começando a se preparar para nascer e os objetos que auxiliam os bebês a aliviar os incômodos, como mordedores, acabam produzindo ainda mais saliva. Mas lembre-se: é normal!

Saliva excessiva: quando se preocupar?
Resfriado: o bebê pode estar babando mais do que o normal por estar resfriado, pois torna-se mais difícil respirar pelo nariz, e consequentemente a boca fica mais tempo aberta;
Dificuldade para comer: se a criança baba muito na hora das refeições, pode ser reflexo de estar comendo mal. Dentre várias causas, isso pode acontecer por dor de garganta, feridas na boca ou outros incômodos que causem dor ao engolir;
Sistema nervoso: se você acha que o caso do seu bebê não é nenhum dos citados acima, vale a pena investigar se a baba excessiva é por conta de problemas no sistema nervoso, especialmente nos processos de deglutição.

E então, dúvidas respondidas? O bebê babando muito não costuma ser um problema e um bom babador já resolve essa questão. Na Panno Sling você encontra o babador bandana, modelo mais estiloso de babador do momento e os pequenos ficam um arraso com ele! Se você ainda não conhece, passa na Panno Sling e veja nossas opções.
#pannosling #colo #amor #dicasdemae #maternidade #babadorbandana
Bebê babando muito é normal? O que fazer? Muitos pais de primeira viagem acabam se assustando quando seus bebês produzem saliva excessivamente e isso se torna uma preocupação. Por isso, viemos tranquilizar vocês e explicar porque é normal o bebê babando muito e quais cuidados vocês devem ter. Por que os bebês babam? O excesso de saliva é normal em qualquer bebê, os recém-nascidos ainda não possuem total controle da boca e ainda não aprenderam a engolir todo o volume de saliva que produzem. Os bebês costumam produzir mais saliva após os 2 meses, motivado pela fase onde eles começam a chupar e morder tudo, fazendo com que eles babem ainda mais e também por volta dos 6 meses que é a fase em que os dentes começam a nascer, chamada de fase da dentição. Babar muito é normal? Para entender se está tudo dentro do normal ou há algo fora do comum, você deverá observar se a baba do bebê é relacionada a fase de aprendizado alimentar. A fase em que os dentes estão começando a se preparar para nascer e os objetos que auxiliam os bebês a aliviar os incômodos, como mordedores, acabam produzindo ainda mais saliva. Mas lembre-se: é normal! Saliva excessiva: quando se preocupar? Resfriado: o bebê pode estar babando mais do que o normal por estar resfriado, pois torna-se mais difícil respirar pelo nariz, e consequentemente a boca fica mais tempo aberta; Dificuldade para comer: se a criança baba muito na hora das refeições, pode ser reflexo de estar comendo mal. Dentre várias causas, isso pode acontecer por dor de garganta, feridas na boca ou outros incômodos que causem dor ao engolir; Sistema nervoso: se você acha que o caso do seu bebê não é nenhum dos citados acima, vale a pena investigar se a baba excessiva é por conta de problemas no sistema nervoso, especialmente nos processos de deglutição. E então, dúvidas respondidas? O bebê babando muito não costuma ser um problema e um bom babador já resolve essa questão. Na Panno Sling você encontra o babador bandana, modelo mais estiloso de babador do momento e os pequenos ficam um arraso com ele! Se você ainda não conhece, passa na Panno Sling e veja nossas opções. #pannosling #colo #amor #dicasdemae #maternidade #babadorbandana
Como acalmar o bebê: 5 dicas simples para você!

É normal que um bebê recém nascido tenha diversas crises de choro ou agitação, o que pode deixar os pais nervosos, principalmente os de primeira viagem. Para ajudar trouxemos algumas dicas que costumam deixar os recém-nascidos mais confortáveis e se acalmarem. Olha só!

1 – Mantenham-se tranquilos: a fonte de segurança que os pequenos têm são seus pais e, se eles sentirem que os pais estão inseguros, é mais um motivo para que fiquem nervosos.

2 – Deixe o bebê enrolado: enrole o bebê para relembrar da sensação de acolhimento como era no útero. Utilize um sling para mantê-lo bem próximo ao seu corpo criando um ambiente de aconchego que acalma o seu pequeno e suas mãos ficam livres para realizar outras tarefas do dia a dia.

3 – Balance o bebê: o bebê sentia todos os movimentos da mãe quando estava na barriga. A dica é fazer balanços suaves e com um ritmo regular, sempre segurando a cabeça do bebê, mas deixando ele um pouco livre para se mexer.

4 – Chupeta ou mamar: estimular a sucção acalma os recém-nascidos, sendo ao mamar ou com uso das chupetas. Muitos profissionais não aconselham a chupeta pelos prejuízos na formação oral da criança e na amamentação mas essa é uma escolha dos pais. Utilize essa dica somente após o uso das anteriores, pois assim você educa o bebê para diferenciar a necessidade de aconchego e a fome.

5 – Faça barulhos repetitivos: no útero, os bebês se acostumaram com barulhos repetitivos, chamados de som uterino. Barulhos de secador de cabelo e ruídos de rádio são um bom exemplo, você encontra outras opções no YouTube.

A principal dica é: não se preocupe em mimar o bebê dando muito colo neste primeiro momento. Diferente do que dizem, o bebê não acostuma com o colo. Na verdade, ele já nasce acostumado (já que foi carregado por 9 meses ininterruptos) e, aos poucos, vai entendendo que há outras fontes de aconchego e segurança sem ser o colo dos pais.

Viu só como existem alternativas para acalmar o bebê e passar por essa fase de forma mais tranquila? Lembre-se que todos os desconfortos são passageiros e respire fundo. 
#pannosling #colo #amor #maedeprimeiraviagem #maternidade #dicasdemae
Como acalmar o bebê: 5 dicas simples para você! É normal que um bebê recém nascido tenha diversas crises de choro ou agitação, o que pode deixar os pais nervosos, principalmente os de primeira viagem. Para ajudar trouxemos algumas dicas que costumam deixar os recém-nascidos mais confortáveis e se acalmarem. Olha só! 1 – Mantenham-se tranquilos: a fonte de segurança que os pequenos têm são seus pais e, se eles sentirem que os pais estão inseguros, é mais um motivo para que fiquem nervosos. 2 – Deixe o bebê enrolado: enrole o bebê para relembrar da sensação de acolhimento como era no útero. Utilize um sling para mantê-lo bem próximo ao seu corpo criando um ambiente de aconchego que acalma o seu pequeno e suas mãos ficam livres para realizar outras tarefas do dia a dia. 3 – Balance o bebê: o bebê sentia todos os movimentos da mãe quando estava na barriga. A dica é fazer balanços suaves e com um ritmo regular, sempre segurando a cabeça do bebê, mas deixando ele um pouco livre para se mexer. 4 – Chupeta ou mamar: estimular a sucção acalma os recém-nascidos, sendo ao mamar ou com uso das chupetas. Muitos profissionais não aconselham a chupeta pelos prejuízos na formação oral da criança e na amamentação mas essa é uma escolha dos pais. Utilize essa dica somente após o uso das anteriores, pois assim você educa o bebê para diferenciar a necessidade de aconchego e a fome. 5 – Faça barulhos repetitivos: no útero, os bebês se acostumaram com barulhos repetitivos, chamados de som uterino. Barulhos de secador de cabelo e ruídos de rádio são um bom exemplo, você encontra outras opções no YouTube. A principal dica é: não se preocupe em mimar o bebê dando muito colo neste primeiro momento. Diferente do que dizem, o bebê não acostuma com o colo. Na verdade, ele já nasce acostumado (já que foi carregado por 9 meses ininterruptos) e, aos poucos, vai entendendo que há outras fontes de aconchego e segurança sem ser o colo dos pais. Viu só como existem alternativas para acalmar o bebê e passar por essa fase de forma mais tranquila? Lembre-se que todos os desconfortos são passageiros e respire fundo. #pannosling #colo #amor #maedeprimeiraviagem #maternidade #dicasdemae
Qual o melhor tecido para roupa de bebê e quais evitar?

O que não falta no mercado de moda infantil são opções de roupinhas lindas para os bebês. No entanto, é muito importante que você cuide de qual é o tecido utilizado nessas roupinhas, para evitar possíveis alergias e garantir conforto para o seu bebê.
⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀
Qual o melhor tecido para roupa de bebê?
Algodão: o tecido mais popular entre as roupinhas infantis. O algodão é uma das melhores escolhas de tecidos por ser leve e flexível, o que permite que o bebê brinque com tranquilidade, sem que se sinta apertado ou incomodado.
Plush: esse tecido é semelhante ao veludo, visualmente possui brilho e é macio e felpudo quando tocado. O Plush possui cerca de 80% de algodão e por isso tem pouquíssimas chances de desencadear algum tipo de alergia aos pequenos. ⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀
E quais tecidos preciso ter mais atenção?
Soft: o soft deve ser evitado para roupinhas que entram em contato direto com a pele do bebê, pois podem gerar irritações. Ao vestir o bebê com peças de soft, opte por colocar antes uma camisetinha de algodão, por exemplo.
Lã: as peças em lã para bebês em sua maioria são antialérgicas, porém é bom ficar atento, pois por ser um tecido felpudo pode soltar pelos e acumular muito pó e ácaros.
⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀
Principais cuidados na escolha dos tecidos
Atenção nas etiquetas: na etiqueta das peças ou descrição dos produtos é onde você sempre encontrará a composição do tecido da roupa.
Evite elementos decorativos em demasia: algumas roupas mais modernas podem apresentar broches, botões ou acessórios que além de poderem ser ingeridos pelo bebê, causando risco a saúde, também pode vir a causar irritações.
⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀
Agora que você já sabe os principais cuidados para ter na hora da escolha dos tecidos da roupinha do bebê, já pode comprar com mais tranquilidade e garantir o conforto do seu pequeno.
Todos os nossos bodies são fabricados com 100% algodão e estão disponíveis nas cores branca, azul claro, azul marinho e rosa. Dá uma passadinha na Panno Sling.
#pannosling #colo #amor #bebes #enxoval #maternidade #gestante
Qual o melhor tecido para roupa de bebê e quais evitar? O que não falta no mercado de moda infantil são opções de roupinhas lindas para os bebês. No entanto, é muito importante que você cuide de qual é o tecido utilizado nessas roupinhas, para evitar possíveis alergias e garantir conforto para o seu bebê. ⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀ Qual o melhor tecido para roupa de bebê? Algodão: o tecido mais popular entre as roupinhas infantis. O algodão é uma das melhores escolhas de tecidos por ser leve e flexível, o que permite que o bebê brinque com tranquilidade, sem que se sinta apertado ou incomodado. Plush: esse tecido é semelhante ao veludo, visualmente possui brilho e é macio e felpudo quando tocado. O Plush possui cerca de 80% de algodão e por isso tem pouquíssimas chances de desencadear algum tipo de alergia aos pequenos. ⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀ E quais tecidos preciso ter mais atenção? Soft: o soft deve ser evitado para roupinhas que entram em contato direto com a pele do bebê, pois podem gerar irritações. Ao vestir o bebê com peças de soft, opte por colocar antes uma camisetinha de algodão, por exemplo. Lã: as peças em lã para bebês em sua maioria são antialérgicas, porém é bom ficar atento, pois por ser um tecido felpudo pode soltar pelos e acumular muito pó e ácaros. ⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀ Principais cuidados na escolha dos tecidos Atenção nas etiquetas: na etiqueta das peças ou descrição dos produtos é onde você sempre encontrará a composição do tecido da roupa. Evite elementos decorativos em demasia: algumas roupas mais modernas podem apresentar broches, botões ou acessórios que além de poderem ser ingeridos pelo bebê, causando risco a saúde, também pode vir a causar irritações. ⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀ Agora que você já sabe os principais cuidados para ter na hora da escolha dos tecidos da roupinha do bebê, já pode comprar com mais tranquilidade e garantir o conforto do seu pequeno. Todos os nossos bodies são fabricados com 100% algodão e estão disponíveis nas cores branca, azul claro, azul marinho e rosa. Dá uma passadinha na Panno Sling. #pannosling #colo #amor #bebes #enxoval #maternidade #gestante
4 Cuidados com recém-nascido que são essenciais

Quando um recém-nascido chega ao mundo ele ainda é muito pequeno e frágil, sendo seus primeiros meses de vida fundamentais para que seu desenvolvimento seja pleno e saudável. Pensando nisso, preparamos uma lista de 4 cuidados que não podem faltar para o mais novo membro da familia.

1 – Estimulando a amamentação: o leite materno é o principal alimento que o bebê recém-nascido deve ter, pois garante todos os nutrientes necessários até os seus seis meses de idade. O estímulo da amamentação junto ao recém-nascido deve ocorrer desde os seus primeiros momentos de vida.

2 – Cuidados na hora do banho: um dos momentos que exige muito cuidado e delicadeza, como a atenção redobrada com a temperatura da água, que não deve ultrapassar os 37°C. Tambem é importante ter próximo de você tudo que irá precisar antes de iniciar o banho, como o sabonete, toalha, fralda e a roupinha, para evitar que o bebê possa sentir frio ou desconfortos.

3 – Trocando a fralda com tranquilidade: ao realizar a troca de fraldas, prefira o uso de algodão com água morna para higienização, pois alguns lenços umedecidos contém propriedades que podem causar alergia ao bebê, o movimento de limpeza deve ser feito suavemente da frente para trás. E não se esqueça de realizar a higienização do umbigo com cotonete e álcool em toda troca de fralda!

4 – Contato com as pessoas e com o mundo externo: respeitar o desenvolvimento e propiciar ambientes silenciosos, principalmente nos primeiros dias de vida do bebê são muito importantes. Isso não significa que o bebê não possa receber visitas, mas é importante que os familiares prezem pela saúde frágil do pequeno e evitem beijá-los ou tocá-los sem antes higienizar as suas mãos.

Existem outros cuidados que são essenciais para o recém-nascido, mas esperamos que as nossas dicas tenham te ajudado a ter mais clareza com alguns aspectos importantes.
E não se esqueça, não é só o bebê que precisa de cuidados. Tão importante quanto cuidar do seu bebê, é cuidar da sua saúde! Principalmente as mamães, que além de cuidar do bebê, precisam amamentá-lo. 
#pannosling #amor #colo #recemnascido #bebe #maedeprimeiraviagem
4 Cuidados com recém-nascido que são essenciais Quando um recém-nascido chega ao mundo ele ainda é muito pequeno e frágil, sendo seus primeiros meses de vida fundamentais para que seu desenvolvimento seja pleno e saudável. Pensando nisso, preparamos uma lista de 4 cuidados que não podem faltar para o mais novo membro da familia. 1 – Estimulando a amamentação: o leite materno é o principal alimento que o bebê recém-nascido deve ter, pois garante todos os nutrientes necessários até os seus seis meses de idade. O estímulo da amamentação junto ao recém-nascido deve ocorrer desde os seus primeiros momentos de vida. 2 – Cuidados na hora do banho: um dos momentos que exige muito cuidado e delicadeza, como a atenção redobrada com a temperatura da água, que não deve ultrapassar os 37°C. Tambem é importante ter próximo de você tudo que irá precisar antes de iniciar o banho, como o sabonete, toalha, fralda e a roupinha, para evitar que o bebê possa sentir frio ou desconfortos. 3 – Trocando a fralda com tranquilidade: ao realizar a troca de fraldas, prefira o uso de algodão com água morna para higienização, pois alguns lenços umedecidos contém propriedades que podem causar alergia ao bebê, o movimento de limpeza deve ser feito suavemente da frente para trás. E não se esqueça de realizar a higienização do umbigo com cotonete e álcool em toda troca de fralda! 4 – Contato com as pessoas e com o mundo externo: respeitar o desenvolvimento e propiciar ambientes silenciosos, principalmente nos primeiros dias de vida do bebê são muito importantes. Isso não significa que o bebê não possa receber visitas, mas é importante que os familiares prezem pela saúde frágil do pequeno e evitem beijá-los ou tocá-los sem antes higienizar as suas mãos. Existem outros cuidados que são essenciais para o recém-nascido, mas esperamos que as nossas dicas tenham te ajudado a ter mais clareza com alguns aspectos importantes. E não se esqueça, não é só o bebê que precisa de cuidados. Tão importante quanto cuidar do seu bebê, é cuidar da sua saúde! Principalmente as mamães, que além de cuidar do bebê, precisam amamentá-lo. #pannosling #amor #colo #recemnascido #bebe #maedeprimeiraviagem
Dor nas costas na gravidez e ao carregar o bebê: como evitar

Um dos desafios e desconfortos dessa nova fase das mamães são as dores nas costas na gravidez e também ao longo dos primeiros anos de vida do bebê. Para amenizar as suas dores nas costas, tanto na gravidez quanto após, aqui vai algumas explicações do porquê acontece e dicas de ouro para sua maternidade ser mais tranquila!

Dor nas costas na gravidez 
O aumento do peso e do tamanho do útero são os principais responsáveis pela dor nas costas na gravidez. Principalmente, por volta do quinto mês de gestação. Mas calma, as dicas abaixo ajudam a aliviar essas dores.

Posturas que reforçam as dores nas costas: levantar de maneira brusca da cama, carregar peso em excesso, ficar sentada por longos períodos e usar sapatos com salto.
Medidas que podem ajudar a aliviar as dores: colocar um travesseiro entre os joelhos quando estiver em repouso, fazer exercícios de Kegel (contração do assoalho pélvico) e usar uma bolsa de água quente.

Dor nas costas durante os primeiros meses do bebê
Depois da gravidez, há uma série de situações que podem intensificar as dores nas costas da mãe. Uma delas é quando a mãe está amamentando o bebê e logo em seguida o colo. Mas, tem dicas para passar por isso também!

Dicas para evitar dores ao amamentar: escolha uma cadeira que tenha braços e encostos confortáveis, mantenha a sua postura ereta, coloque almofadas na parte inferior da lombar para ter maior conforto (lembre-se em sempre trazer o bebê  até o seio e nunca levar o seio até o bebe) e mantenha os seus ombros relaxados, falta de apoio nos braços pode causar sobrecarga nos ombros e no pescoço.

Dicas para evitar dores quando carregar o bebê: para fins de tratar dores nas costas o sling é uma otima opção conforme o bebê vai ganhando peso. Evitando a sensação de cansaço, dores no ombro e dores nas costas. Tudo isso porque o sling permite posicionar o bebê de maneira confortável, além de distribuir o peso do corpo do bebê de forma correta e eficaz, evitando que a coluna fique “torta”, causando dores. Dessa forma, a mãe também fica com as mãos livres para outras atividades.
#pannosling #colo #amor #gestante #maternidade #gravidas
Dor nas costas na gravidez e ao carregar o bebê: como evitar Um dos desafios e desconfortos dessa nova fase das mamães são as dores nas costas na gravidez e também ao longo dos primeiros anos de vida do bebê. Para amenizar as suas dores nas costas, tanto na gravidez quanto após, aqui vai algumas explicações do porquê acontece e dicas de ouro para sua maternidade ser mais tranquila! Dor nas costas na gravidez O aumento do peso e do tamanho do útero são os principais responsáveis pela dor nas costas na gravidez. Principalmente, por volta do quinto mês de gestação. Mas calma, as dicas abaixo ajudam a aliviar essas dores. Posturas que reforçam as dores nas costas: levantar de maneira brusca da cama, carregar peso em excesso, ficar sentada por longos períodos e usar sapatos com salto. Medidas que podem ajudar a aliviar as dores: colocar um travesseiro entre os joelhos quando estiver em repouso, fazer exercícios de Kegel (contração do assoalho pélvico) e usar uma bolsa de água quente. Dor nas costas durante os primeiros meses do bebê Depois da gravidez, há uma série de situações que podem intensificar as dores nas costas da mãe. Uma delas é quando a mãe está amamentando o bebê e logo em seguida o colo. Mas, tem dicas para passar por isso também! Dicas para evitar dores ao amamentar: escolha uma cadeira que tenha braços e encostos confortáveis, mantenha a sua postura ereta, coloque almofadas na parte inferior da lombar para ter maior conforto (lembre-se em sempre trazer o bebê até o seio e nunca levar o seio até o bebe) e mantenha os seus ombros relaxados, falta de apoio nos braços pode causar sobrecarga nos ombros e no pescoço. Dicas para evitar dores quando carregar o bebê: para fins de tratar dores nas costas o sling é uma otima opção conforme o bebê vai ganhando peso. Evitando a sensação de cansaço, dores no ombro e dores nas costas. Tudo isso porque o sling permite posicionar o bebê de maneira confortável, além de distribuir o peso do corpo do bebê de forma correta e eficaz, evitando que a coluna fique “torta”, causando dores. Dessa forma, a mãe também fica com as mãos livres para outras atividades. #pannosling #colo #amor #gestante #maternidade #gravidas